O parto de uma história

Foto capa da crônica O parto de uma história no site Gabriela Araujo. Escrita & cultura

Enquanto escritora, tenho essa inquietude em dar à luz à uma história.

Por vezes sou acometida por uma covardia orgânica que me faz hesitar em produzir qualquer texto.

O ceticismo na história

Sou uma daquelas pessoas que conhece uma ideia e tem receio em manter contato,  em tentar fazer dar certo, em assumir um compromisso sério. Fico sempre com um pé atrás, desconfiada de que seja mesmo o que diz ser e não uma farsa na qual estou desesperada o suficiente para acreditar.

Por vezes temos o costume de revistar uma ideia de ponta a cabeça, virando-a do avesso, checando todos os bolsos, a fim de nos certificar de que ela é legítima e válida.

Tentamos sacolejá-la para ver se dela caem perigos ou então a observamos atentamente como se pudéssemos intuir na marra os segredos que ela esconde. Por que questionamos tanto aquilo que parte de nós?

Precisamos entender que o melhor é deixar a ação tomar seu curso e somente observá-la enquanto ela se desvenda e se desdobra. Muitas vezes somos sim surpreendidos, mas a surpresa é joia, não ameaça.

A perseverança na história

Por conta disso temo que a ansiedade nos imobilize de tal modo que passemos a negar a aptidão de nossa criação. E aí imagine só o resultado: todas essas histórias pulsando, crescendo, se desenvolvendo dentro de nós, num processo perfeito de zigoto à bebê formado, e então nos recusamos a parir.

Fico agoniada ao pensar que existem histórias que nunca nascerão.

Então penso que não, essa é uma decisão que cabe a mim tomar e um caminho que cabe a mim traçar. Resolvo que traço. Resolvo que esse é o melhor rumo para mim.

Escrever é arriscar gerar, nutrir e moldar histórias que não sabemos onde vão dar. Se é que elas vão dar em algum lugar e não só ser esquecidas num canto empoeirado da estante ou numa rolagem vertical de feed.

A decisão que tomo é em relação ao agora que conheço, não ao futuro que irei descobrir. Por hora, escrevo.

Tenhamos a coragem de parir nossas histórias.

2 COMMENTS
  • Se quer mais produtividade, dedique-se ao ócio | Gabriela Araujo
    Responder

    […] que você não trabalhe com conteúdo, pode estar dando um tiro no pé ao não se dedicar o suficiente ao que é combustível para o que […]

  • Dicas de autocuidado em momentos difíceis | Negra em Movimento
    Responder

    […] opções são diversas e extensas: pode arriscar o artesanato, o desenho, a pintura, a escrita, instrumento ou composição musical, entre outras. O céu é o limite e a escada até ele é […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: